Sonhos

Detesto o que de vez em quando me acontece e hoje foi um desses dias.

Acordo cedo, pelas seis da manhã, e tento desesperadamente desligar o cérebro, que se está completamente a borrifar para mim. Vai buscar tudo e um par de botas para mostrar quem é que manda. O que tenho para fazer durante o dia, coisas do passado, ideias para o futuro, o que disse e não disse, o que tenho de escrever… e todas as ligações, entre isto tudo, frenéticas como uma rede de autoestradas em hora de ponta. Finalmente, ao fim de mais ou menos uma hora, consigo adormecer. Acordo com o despertador às oito. Estava a dormir ferrada e deliciada, mas em sobressalto sou despertada pelas obrigações. Desta vez o cérebro não quer acordar e pior – está consciente do sonho que estava a ter e não queria que terminasse. Vou contar-vos qual foi o de hoje.

Estava num país estrangeiro, no restaurante de um hotel, que mais parecia um bar vintage com música, imensa animação, um grande buffet e uma mesa cheia de amigos. Vi um autocarro descapotável a chegar (nos sonhos tudo é possível) e lá em cima o Bruce Springsteen, que iria atuar mais tarde, vestido com um fato de licra com as cores da bandeira americana. O grande veículo parou e eu fui a correr para o poder ver de perto e pedir-lhe um autógrafo. Ele estava a andar muito rápido e haviam mais duas ou três pessoas, atrás dele, a pedirem-lhe o mesmo. Ele, acompanhado da mulher, também no seu fato de licra, pararam e ele começou rapidamente a dar autógrafos aos que estavam antes de mim, tentando despachar-se. A seguir fui eu – agarrei no meu bloco e procurei desesperadamente uma folha de papel em branco, mas só encontrava rabiscos, listas de compras e desenhos dos meus filhos. Para o empatar um pouco comecei a dizer-lhe (em inglês) que o admirava muito e ouvia as suas músicas desde os meus quinze anos… sempre à procura de uma folha limpa. Quando finalmente encontrei e ia-lhe dar o bloco para assinar, o despertador tocou! Que raiva. Fiquei mesmo chateada. Queria continuar o sonho. Talvez se voltasse a adormecer conseguisse; não seria a primeira vez. Mas, de novo, o cérebro meio desperto entrou em conflito comigo: “sabes que tens de te levantar, são horas, não podes adormecer…”; o mesmo cérebro: “dorme, pode ser que consigas continuar o sonho de onde ficou. Estava tão bom…” E pronto! Nem me levantei logo, porque estava mesmo com sono, nem voltei a sonhar com o autógrafo do Bruce Sprinsteen! Não é justo. Ainda por cima, com as saudades que tenho de jantaradas, saídas com amigos, concertos, viajar… estava ali tudo e foi-me roubado pelo monótono som do telemóvel.

Talvez amanhã.

Publicado por Sara Carvalho

Chamo-me Sara Carvalho. Sou mãe de três filhos lindos, um deles com Síndrome de Down. São a minha grande paixão e inspiração para tentar ser, a cada dia, melhor. Curiosa de raíz, apaixonada pela vida e pela natureza. Adoro artes: ler e escrever - sobre os mistérios da vida, as emoções humanas, os pormenores; dançar; cantar (só para mim); cinema; espetáculos; concertos; exposições; viajar e ... sonhar com um futuro melhor. Um sonho que se transformou em objetivo: escrever um livro. Consegui! Mais sonhos? Não me faltam...

One thought on “Sonhos

  1. Belo texto, frenético, em que a maioria do leitor de identifica, uma escrita que prende e capta a nossa atenção, é um Prazer ler-te aqui… Longe do frenético cruzamento de informação desnecessária das redes sociais… Parabéns.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Alberto Cuddel Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: