Tremo

Não sabia que raio de energia era aquela que emanava dele e que a paralisava. Logo ela que não tinha quaisquer problemas em comunicar, pelo contrário. Na presença dele ficava muda. Pior, o pouco que lhe saía era melhor que ficasse retido. Sentia os joelhos frouxos, o sangue ora a abandonava e sentia-se prestes a desmaiar, ora afluía de tal maneira que parecia estar dentro de um caldeirão.

Não percebia porque é que queria tanto estar com ele e fantasiava beijos de cinema, quando ele a fazia sentir-se doente e às portas da morte. Ele mal reparava nela. Às vezes, ficava grata pois não queria que ele percebesse o estado lastimável em que ela ficava; noutras, apetecia-lhe mesmo cair-lhe aos pés para ver se ele reparava e a agarrava. Podia ser que lhe tirasse os óculos, enquanto lhe limpava o suor frio do rosto, e lhe desse umas palmadinhas ou até um beijo para a acordar, qual bela adormecida. Entretanto… sonhava e suspirava.

Publicado por Sara Carvalho

Chamo-me Sara Carvalho. Sou mãe de três filhos lindos, um deles com Síndrome de Down. São a minha grande paixão e inspiração para tentar ser, a cada dia, melhor. Curiosa de raíz, apaixonada pela vida e pela natureza. Adoro artes: ler e escrever - sobre os mistérios da vida, as emoções humanas, os pormenores; dançar; cantar (só para mim); cinema; espetáculos; concertos; exposições; viajar e ... sonhar com um futuro melhor. Um sonho que se transformou em objetivo: escrever um livro. Consegui! Mais sonhos? Não me faltam...

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: