AMO-TE

– Amo-te, mãe – disse, com os olhos a quererem fugir para o chão.

– Também te amo muito, meu amor – respondeu, emocionada. Expirou fundo e descansou.

Jornal A Voz de Paço de Arcos – 02/2022

Quantas vezes esta palavra é dita com verdadeiro significado e quantas vezes fica por dizer?

Nem sempre demonstrar amor e expressá-lo foi comum a todas as famílias; nem é ainda. Principalmente nos homens. Chefes de família saem cedo para trabalhar, cuidam da família para que nada lhes falte, até mudam de país para ganhar o pão, mas dizer «amo-te» a um filho ou a uma filha, ao pai ou à mãe, é tido como uma fraqueza. Equiparado ao chorar. Homens não choram. Foram feitos para ser fortes, inabaláveis e isso dá-lhes uma capa de insensibilidade, que muitas vezes não corresponde à realidade.

Quantos filhos nunca ouviram essa palavra? Conheço alguns. Talvez os pais também nunca a tivessem ouvido dos seus. Ou talvez só o dissessem quando os filhos eram pequenos.

Por vezes, só quando estão enfermos, acamados e com idade avançada é que a família, a custo e com vergonha, consegue dizê-lo. Quem nunca o fez, e não foi habituado, quando tenta parece que lhe estão a arrancar os ossos. Porque será? Uma das palavras mais belas e com tanto significado é muitas vezes engolida ou fica algemada na garganta.

Quanto mais tempo passa, mais difícil fica. É claro que se amam e fazem tudo o que sabem para cuidar uns dos outros. Mas porque será tão difícil dizer «amo-te, mãe», «amo-te, filha», «amo-te, pai»? 

Dizer ao marido, à esposa, ao namorado ou à namorada parece mais fácil. Mesmo assim, há casais que deixam de o dizer passados aqueles primeiros anos. Outros há, que fazem questão de o dizer todos os dias, uma vida inteira. Deveria ser sempre assim. 

Mesmo que saibamos que somos amados, faz uma grande diferença quando o expressamos em alta voz. Quem ouve sente a confirmação e o poder que as palavras têm. Até porque com tantas curvas e desastres que a vida tem, surgem, por vezes, dúvidas.

Num mundo com tanto ódio façamos a diferença!

Vamos dizer àqueles que amamos que os amamos. Não esperemos que fiquem doentes ou à porta da morte ou, pior, que os percamos sem nunca lhes ter dito «amo-te».

E hoje, já disse aos seus que os ama?

Artigo e poema publicados no Jornal A Voz de Paço de Arcos – 02/2022

Publicado por Sara Carvalho

Chamo-me Sara Carvalho. Sou mãe de três filhos lindos. São a minha grande paixão e inspiração para tentar ser cada dia melhor. Curiosa de raíz, apaixonada pela vida, pela natureza, por música, dança, letras e não só. Adoro artes: ler e escrever - sobre os mistérios da vida, as emoções humanas, Deus, fantasia, suspense, espiritualidade, poesia; musicais; cinema; espetáculos; concertos; teatro; bailado; exposições; fotografia; viajar e ... sonhar com um futuro melhor. Também sou instrutora de Pilates, desde 2006. Um sonho que se transformou num objetivo? Escrever um livro. Consegui! 777 é o seu título. É uma obra de fantasia com muita realidade à mistura. Também gosto de números e enigmas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: