Obrigada

Cativaste-me com o luxo das tuasrimasEnvolveste-me na ternura dos teusversosAbraçaste-me com a força das tuaspalavrasEmbalaste-me na melodia dos teuscantosBeijaste-me com a volúpia dos teuspoemasAcarinhaste-me na prosa solta dos teusdedosDespiste-me com a tua sinceridade nuaexpostaAmaste-me nos lençóis de cetim da tuaalmaElevaste-me ao céu com os teus delíriossuspirados – Dedicado a tod@s que me prendem às linhasContinue a ler “Obrigada”

Ruído de fundo

Procurei aceitação alheiaBusquei caminhos infindáveisSondei respostas mudasAumentei o ruído da vidaEvitei escutar os gritos de dentroFugi até não poder maisCamuflei-me descobertaA nascente rompeu o peitoInundou-me por completoEngasguei-meSaiu aos turbilhõesDeixou-me desarranjadaPareiAceitei-meTentei entenderAbraceiRessurgiAgora vivoDespreocupadaOs rumores da noiteJá não me pesam

Sentiste?

Hoje senti o teu beijoDoce, brilhanteMolhado, prolongadoSenti o teu e o meuCoração aceleradoObservei-nos de foraComo quem admira um quadroTínhamos os olhos fechadosA proximidade que os corpos pediamO calor que emanavamO pecado que teimavam esconderEstranho ver de foraO que se sente por dentroFugíamos de encontro ao outroUm querer disfarçado de negaçãoJogar às escondidas e à apanhadaPercebiaContinue a ler “Sentiste?”

Prisão

Na escuridão das trevasDas noites infindáveisPassadas em caves esconsasCom cheiro a mofoNegros e confusos labirintosHumidade entranhada em longos túneisEsgotos putrificadosBecos e cavernas sem fimSobrevoados por corvosPovoados de morcegos, ratos e cobrasCaminhos sinuosos que conduzem ao fundo do poçoMentes trôpegas facilmente ludibriadasEscondidas da luz do diaSubsistem na podridão do bolorAssim vivem por décadasAté decidirem morrer ouContinue a ler “Prisão”

Por ti

Sempre que pediste fuiMesmo até onde não queria irSemprePor ti.És a minha perdiçãoPor tiFujoVou ao fim do mundoTraio a razão És a minha paixãoPor tiSaioConquistoRasgo a absolvição És o meu amorÉs a minha perdição NãoNão queroEstar longe de tiQuero-tePreciso tantoTantoDesta loucuraQue me consome o coração O teu cabelo sabe a salA tua pele a doceContinue a ler “Por ti”