Bom dia e ótima semana 🌻

Bela
Formosa
Sempre forte
Mesmo defeituosa

Rasgaram-me a pele
Abusaram de mim
Quiseram tirar tudo
Mas sempre renasci

Não murcho
Não me rendo
Dou quase tudo
Mas não me vendo

Sou natureza
Sou vida
Sou riqueza
Nunca caída

Sirvo a todos
Peço respeito
Se me queres à mesa
Morrerei sem despeito

Quantas Jéssicas?

É impossível não sentir dores no estômago com os murros que nos atingem vindos das notícias.

Ao fim de seis meses, Inês Tomás é detida, indiciada pelo homicídio da filha – Jéssica Biscaia, a mais nova dos seis filhos que esta mulher teve.

Quatro deles a viver com familiares e a mais velha institucionalizada, a pedido da avó materna. Só isto já diz muito, não?

Uma menina, uma inocente, entregue às mãos de alguém a quem devia chamar mãe, de quem devia esperar proteção, colo, carinho, amor… em troca, era esbofeteada, maltratada, vítima de gritos e violência, de maus tratos. Permitia que fosse introduzida droga no ânus da menina para ser usada como correio de droga.

Como é que alguém consegue ficar descansada e descontraída sabendo que a sua filha de três anos está nas mãos de traficantes de droga, pessoa intituladas de bruxas, chantageadores, pessoas violentas, que ameaçam, abusam e espancam? Como?!

Ainda foi filmada a cantar karaoke, num bar, durante esse tempo!

Eu tenho três filhos e só de pensar em alguém lhes tocar num fio de cabelo, fico mal disposta, quanto mais fazer mal à própria filha!?

Uma menina, alvo de tortura e espancamento, com mais de 130 lesões externas e internas. Sofreu murros, pontapés, apertões, cortes, queimaduras de cigarros e água a ferver. Só na cabeça foi atingida 27 vezes. Quem é que consegue ser assim? Como?

Mesmo que fosse alvo de chantagem, mesmo que a sua vida fosse posta em perigo, ela tinha de a defender, proteger, salvar.

Usa a filha como moeda de troca de dívidas que tinha?

Recebe a menina, depois de quase uma semana ausente, nas mãos de criminosos, vê que a filha não se aguenta em pé, que tem lesões no rosto, na cabeça e no corpo, que tem o rosto queimado e ensanguentado, está com dificuldade em respirar e põe-na na cama para descansar? Que espanto, depois, ela ter morrido? Chorou muito, agarrada a uma boneca? Que merda de pessoa é esta? Nem de animal pode ser chamada porque os animais não fazem isso às suas crias.

Infelizmente, este não é caso único.

Espero que tanto a mulher, que lhe deu e tirou a vida, bem como os outros envolvidos fiquem presos e que sofram o mesmo que Jéssica sofreu. Quando pensamos em justiça é isto.

Há pessoas que nunca deviam ser chamadas de mães, que nunca deviam ter filhos.

A única parte positiva é que Jéssica Biscaia já não sofre mais.

Natal?

O mundo está de pernas para o ar ou serei eu?
Reportando-me à época em que estamos, há certas coisas que não me parecem fazer sentido algum nas gentes, pelo menos, do meu país.
Então, anda tudo atarefado com o Natal: comprar prendas, comida, fazer a árvore, ajudar os mais carenciados, enviar e publicar mensagens de amor, paz e festas felizes, reunir a família, etc.
Mas, qual é o principal motivo desta celebração? O nascimento de Jesus Cristo.
Nem toda a gente é católica, mas a maioria, mesmo não praticante, é. Nem todas as religiões são cristãs, mas a maioria é. Nem todas as religiões cristãs celebram esse nascimento na mesma data, a maioria sim.
Então, pergunto-me porque é que a maioria quando se fala em Deus, em Cristo ou na Bíblia não quer saber?
Aprecia-se a festa mas o motivo principal, por trás da mesma, não?
Acho isto estranho mas, se calhar, sou eu que estou ao contrário.

Do it!

Há caminhos que têm de ser percorridos sozinhos. Há sonhos que só nós é que sentimos.
Há inícios e fins que só nós é que entendemos.
E está tudo bem.

O destino é teu, a vida é tua, as dores, as alegrias e as conquistas serão tuas!
Não desistas do que faz o teu coração sorrir☀️

Dream

Na brisa calma do mar
Deixo-me embalar
Contemplo o céu
Fecho os olhos e sonho
A preto e branco
Sou um pássaro
Que ama a manhã
Brinca na espuma das ondas
Respira o sol e o sal
Nas penas levo as lembranças
De dias pequenos
De fome e tempestade
Agora livre
Voo e plano
Em plena sintonia com a natureza
Na areia brinco
E à beira-mar repouso
Sou uno com a terra
Sou pleno no mar
Feito de amor e para amar

Boa semana 💖

Desaperta o coração
Deixa-o ser livre
Permite que faça aquilo
Que nasceu para fazer

– Amar

Não o deixes encolhido
Mirrado
Escondido
Envergonhado
Solta-o
Não cries barreiras
Não eleves muros
Não inventes fronteiras
Ama
Ama
E ama novamente
Se ficou magoado
Se ficou ferido
Sim
Mas não lhe cortes as asas
Ele não tem culpa
Não o castigues
Pelo mal de outro coração
Que não sabia amar

FaZer o quê?

Ontem, enquanto lanchava num café, assisti a uma situação, um tanto ou quanto, desconfortável.

Estava uma senhora em pé, em frente à vitrine, a aguardar o seu pedido quando, entretanto, chegou uma outra que ficou de lado junto à montra do pão. Passado pouco tempo, ouvi-a a cumprimentar a que já lá estava e a pedir-lhe desculpa por não a ter reconhecido. Ao que a mulher respondeu:

  • Pois, quando não interessa conhecer não se fala… quando se precisa e dá jeito é que se cumprimenta…

Não ouvi qualquer resposta e ela ainda repetiu, mais uma ou duas vezes, frases deste género para quem quisesse ouvir. Além da voz, a cara, também demonstrava que estava ofendida e irritada.

Entretanto, a senhora que esperava o pão foi atendida e despediu-se da outra, de forma simpática, e saiu.

O inusitado é que aquela que não reconheceu a outra, de imediato, era a única que estava de máscara.

Fiquei com pena dela porque, em primeiro lugar, a reação da mulher pareceu-me bastante exagerada e, mesmo que tivesse muita razão, ninguém precisava saber; segundo, porque já me aconteceu, várias vezes, o mesmo.

Tenho tanto de atenta como de distraída e já dei comigo a esquecer rostos de pessoas com as quais já tinha estado a falar, até por bastante tempo.

O cúmulo foi uma senhora que ficou na mesma mesa que eu, num casamento, há uns anos, e passado uns tempos não a reconheci ao vê-la num espaço comercial.
O mesmo já me aconteceu com outras pessoas e em situações de convívio que, pelos vistos, esqueço.

Faço por mal ou com qualquer tipo de interesse? Não. O meu cérebro apaga e não tenho culpa.
Algumas vezes, ando tão distraída com os meus pensamentos, e na minha vida, que raramente vejo alguém.

Noutras alturas, sou capaz de estar numa esplanada e ver o senhor bem vestido da mesa ao lado, que aparenta ser o dono, a passar droga a um amigo, de forma tão subtil que sou a única que repara. Ou uma rapariga a tentar ver o telemóvel do namorado, à socapa, quando este vai à casa de banho.
E agora? Vá-se lá perceber!?

Portanto, nem tudo o que imaginamos corresponde à realidade ou àquilo que se passa na cabeça do outro. Haja mais empatia e tolerância. Digo eu.

Boa semana 🌻

Nem todos os dias sentimos que avançamos, que alcançamos e concretizamos o que queremos. Nem todos os dias nos sentimos bem.
Na natureza existem dias nublados, de chuva, frio, vento, de céu azul, sol a brilhar, de calor e pássaros a cantar.

Saber aceitar e respeitar os ciclos, com a certeza e fé que melhores dias virão e voltaremos a brilhar, é importante. Mesmo em dias cinzentos, sabemos que o sol está lá e aparecerá sempre.