O beijo

Deixa-me encostar os meus lábios aos teusSentir a maciez polposaO sabor de uma bocadoce como figos de melVermelha rosada enfeitiça-meNela os meus olhos fixam-seNada oiço do que dizesDisperso-me do contextoSinto-me a desligarSou embalada na dançadas palavras que se tornam melodia hipnotizanteO desejo cresceProvoca-meágua na bocaO mundo paraO coração exigeApenasQueroPrecisoBeijar-te

Inocência

No fim de semana passado, enquanto almoçava numa mesa só de adultos, os meus filhos faziam o mesmo numa só de crianças.No final, quando a maioria dos miúdos já se tinha levantado e ido brincar (porque era uma quinta) o meu filho mais novo continuou agarrado ao telemóvel. Via bonecos. Normalmente, os outros miúdos nãoContinue a ler “Inocência”