A Pérola – III

Acordou de novo sozinha no escuroCoberta de areia e cansadaNão percebia o que lhe aconteceraDe novo as lágrimas caíram mas desta vez soluçou baixinhopara ninguém incomodarEstava quebradaE sem forças para se lamentarSoterrada entre o póDeixou o tempo passarO sol brilhou mas ela não o acompanhouEstava demasiado enterradaE os raios não a alcançavam Um dia umaContinue a ler “A Pérola – III”