Oferecer ajuda

Uma senhora vai na rua carregada com sacos de compras. Um deles rebenta-se e as coisas espalham-se pelo chão. O que farias?

a) Via mas fingia não reparar e seguia a minha vida, afinal não é nada comigo, nem problema meu;

b) Baixava-me de imediato e começava a apanhar as coisas;

c) Perguntava se ela precisava de ajuda e agia em conformidade com a resposta.

Conhecendo-me como sou, optava pela opção b); quando dava por mim já estava agachada a reunir os itens. Parece-me óbvio que a pessoa precisa de ajuda, nem faz sentido perguntar. Até porque, por vergonha ou timidez, o normal seria dizer “não obrigada, não é preciso.”

No entanto, existem também algumas opções diferentes para as pessoas cujo saco se rompeu:

a) Espero que ninguém note, nem ninguém se aproxime, que vergonha;

b) Era bom ter uma ajuda para não ficar aqui de rabo para o ar tanto tempo;

c) Não me digam nada que eu já estou cheia de nervos.

Infelizmente, se alguém que escolhe, na primeira abordagem, a hipótese b) mas apanha uma pessoa da opção a) ou c) ainda vai ficar no final com a sensação de que foi mal agradecida e diz para si própria: “Para a próxima não me meto, ainda ficou enjoada comigo. Que culpa tive eu?”

Isto acontece noutras situações da vida, nem sempre com estranhos. Por vezes, tentamos ajudar um familiar, um amigo, mas aquela pessoa não pediu nada e, apesar de desabafar connosco os seus problemas, não quer os nossos conselhos. São por vezes mal interpretados. Às vezes, essa pessoa só quer que lhe digam que “vai ficar tudo bem, hás-de apanhar as compras todas sozinha e chegar a casa, mesmo com o saco roto.” Dar-lhe uma palmadinha nas costas e ir embora.

Nem sempre há estômago para isto quando a natureza é querer ajudar.

E tu, como és?

Publicado por Sara Carvalho

Chamo-me Sara Carvalho. Sou mãe de três filhos lindos. São a minha grande paixão e inspiração para tentar ser cada dia melhor. Curiosa de raíz, apaixonada pela vida, pela natureza, por música, dança, letras e não só. Adoro artes: ler e escrever - sobre os mistérios da vida, as emoções humanas, Deus, fantasia, suspense, espiritualidade, poesia; musicais; cinema; espetáculos; concertos; teatro; bailado; exposições; fotografia; viajar e ... sonhar com um futuro melhor. Também sou instrutora de Pilates, desde 2006. Um sonho que se transformou num objetivo? Escrever um livro. Consegui! 777 é o seu título. É uma obra de fantasia com muita realidade à mistura. Também gosto de números e enigmas.

2 opiniões sobre “Oferecer ajuda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: